1. Skip to Menu
  2. Skip to Content
  3. Skip to Footer

Gaza pede maior interveção da UEM no desenvolvimento local

governadoraA Governadora da Província de Gaza, Stella Pinto, apelou na manhã de hoje, 13 de Julho, à Universidade Eduardo Mondlane para aumentar a sua intervenção naquela parcela do país, de forma a encontrar soluções que permitam a melhoria da vida das comunidades.
Falando na abertura do Conselho de Directores Alargado - 2015, que decorre em Chidenguele, desafiou a Universidade a apresentar soluções nas áreas de agricultura, veterinária, turismo, entre outras, baseadas em tecnologias alternativas e através da oferta de serviços especializados, capacitação técnica e insumos qualificados, adequados às necessidades do sector produtivo.
A UEM temestado a desenvolver nos últimos tempos acções com vista a sua transformação em uma Universidade de investigação. A Governadora de Gaza disse acreditar que essas reformas irão responder aos novos paradigmas impostos para o pleno desenvolvimento do país, em geral, e da sua província, em particular.
Stella Pinto manifestou alegria pelas acções da Escola Superior de Negócios e Empreendedorismo da UEM, localizada em Chibuto. Segundo ela, a ESNEC ministra cursos que correspondem aos desafios da província e classifica de positivos os seus resultados. “Já temos quadros da Escola dando o seu contributo em vários sectores de actividade. A ESNEC tem se destacado como parceira nos seus aspectos científico e tecnológico, cuja meta é um melhor aproveitamento dos recursos disponíveis, incentivo ao empreendedorismo e a promoção do desenvolvimento local e nacional, tangenciada pela estreita relação entre a própria Universidade, o Governo e o sector privado”, disse.
Acrescentou que a UEM destaca-se em Gaza como agente de desenvolvimento integrado através da participação dos estudantes e investigadores da ESNEC na promoção e consolidação da cadeia de valores de vários produtos abundantes naquela parcela do país, assim como, na capitalização das oportunidades de negócio e da criação de vários projectos com impacto socio-económico, como é o caso do projecto de piscicultura em Chidenguele.
cdaPor sua vez, o Reitor da UEM, prof. Doutor Orlando Quilambo, disse que a UEM procura, na sua política de expansão, chegar junto às comunidades, oferecendo cursos de carácter mais aplicado, vitais para o desenvolvimento local.
“Foi assim que nos estabelecemos em Chibuto, através da ESNEC, oferecendo cursos na área agro-comercial e de liderança, e abrimos um Centro de Recursos em Nwadjahane, no distrito de Manjacaze, como parte das nossas actividades de extensão", disse o Reitor, acrescentando que a política de expansão da UEM não prevê abertura de novas unidades de ensino replicando as existentes em Maputo, mas sim, a presença através de Centros de Recursos, que servirão para promover a investigação e extensão, bem como o ensino à ditância, onde for aplicável.
“O Centro de Nwadjahane, em particular, poderá servir para o ensino à distância em cursos que se considerarem relevantes, mas também, e através da investigação, aprofundar o nosso conhecimento sobre o local e a história do nosso patrono, Eduardo Chivambo Mondlane, bem como acolher visitas e oferecer acampamento a estudantes nacionais e estrangeiros, contribuindo para a sua educação patriótica e para maior internacionalização da nossa UEM”, explicou.
A UEM pretende estabelecer Centros de Recursos em em todas as províncias, unidades estas que terão a missão de realizar investigação, extensão e ensino a distância. Esta é a forma que a maior e mais antiga instituição de Ensino Superior no país encontrou para responder aos problemas específicas de cada província.
Sob o lema “Rumo a uma Universidade de Investigação”, a UEM está reunida em Conselho Alargado de Directores para traçar estratégias que a levem a esse desiderato.