UEM lança Cátedra Oliver Tambo sobre Adaptação às Mudanças Climáticas nas Zonas áridas e semi-áridas

  • Imprimir

COliver-2022-0Foi lançado hoje (2/08), em Maputo, a Cátedra Oliver Tambo sobre Adaptação às Mudanças Climáticas baseada em Ecossistemas nas Zonas Áridas e Semiáridas. A cátedra visa, essencialmente, avaliar de forma sistemática as interacções sócio-ecológicas das zonas áridas e semiáridas do Corredor do Limpopo, com vista a produzir conhecimentos de base científica que possam apoiar a política e o desenvolvimento.
O programa da Cátedra Oliver Tambo inclui a formação de 2 pesquisadores pós-doutorados, 4 doutorados, 10 mestrados e 6 licenciados além de produzir publicações, entre teses, livros, artigos de revista e documentos de consumo público.
Na abertura, o Reitor da UEM, Prof. Doutor Manuel Guilherme Júnior, afirmou que a Cátedra Oliver Tambo, a par de outras iniciativas da UEM, vai alavancar o aumento da qualidade de investigação na instituição, conferindo, desta forma, maior capacidade de responder aos problemas da sociedade e apoiar o desenvolvimento do país através dos seus resultados de investigação.
Segundo o Reitor, no âmbito da sua transformação funcional, a UEM encontra-se preocupada igualmente com a capacitação institucional e em tornar-se mais impactante na sociedade, por isso, esta cátedra é importante porquanto beneficiará diferentes sectores da sociedade, sendo os beneficiários imediatos o pessoal académico, incluindo investigadores, docentes e estudantes, que serão formados, desenvolverão capacidades e desenvolverão a carreira.
COliver-2022-1Para o Reitor, o desafio de trabalhar nas zonas áridas e semiáridas é uma escolha acertada tomando em conta não apenas as populações das zonas áridas e semiáridas de Moçambique, mas também de outros países Africanos. "Apelamos também à humildade no trato com as comunidades locais, bem como, a dedicação à ciência e ao rigor a ela associado para que possam levantar bem alto a bandeira da UEM, e de Moçambique perante as outras nações do mundo", frisou.
Na ocasião, a Directora Nacional das Mudanças Climáticas, Dra. Jadwiga Massinga, disse que cabe as academias o papel de fortalecer a pesquisa e investigação para informar os tomadores de decisão sobre as opções apropriadas de adaptação no contexto de Moçambique e incluir nos curricula matérias ligadas ao desenvolvimento sustentável e mudanças climáticas.
O titular da Cátedra, o Professor Catedrático Almeida Sitoe, explicou que nos próximos 5 anos, os trabalhos estarão voltados para compreender os serviços de ecossistemas e as organizações locais na redução da vulnerabilidade às mudanças climáticas nas zonas áridas e semiáridas do Corredor do Limpopo, bem como explorar o potencial das estratégias de Adaptação Baseada em Ecossistemas para reduzir a vulnerabilidade a nível de comunidade local em regiões semiáridas.
Justificou que a finalidade das pesquisas é auxiliar as políticas locais e nacionais que podem melhorar os processos de tomada de decisão para comunidades resilientes que vivem em regiões propensas à seca.
COliver-2022-2Em representação dos administradores dos distritos da região do Corredor do Limpopo, a Dra. Maria Fernanda, Administradora do distrito de Limpopo que inclui os postos administrativos de Chicumbane, Chissano e Zonguene, fez saber que estas regiões representam a terceira maior população da província de Gaza com cerca de 150 mil habitantes. Segundo ela, esta região possui um clima tropical húmido com temperaturas medias anuais de 25 graus centigrados e uma queda pluviométrica que varia entre 825 e 1145 ml anuais, estando deste modo propenso aos efeitos das mudanças climáticas que originam cheias, inundações, secas, ciclones e descargas atmosféricas que colocam as comunidades e as infraestruturas sob pressão.
A Cátedra tem como áreas de pesquisa Dinâmica Climática, Dinâmica dos ecossistemas,
Organizações sociais (do nacional ao local até agregados familiares, formais e informais) e seu papel na capacidade de adaptação, Agricultura inteligente para o clima, Maneio integrado de pastagens, Energia rural renovável de baixa emissão, Equilibrando a conservação e a provisão de serviços ecossistêmicos, Gestão da água compatível com o clima, Adaptação às mudanças climáticas e adopção de tecnologia.

COliver-2022-3