1. Skip to Menu
  2. Skip to Content
  3. Skip to Footer

Sofala regista maiores taxas da violência contra mulheres

cecage-inq-violencia-01

A Província de Sofala é a região do país com maiores taxas de violência contra as mulheres, indica o relatório do inquérito sobre a violência contra mulheres e raparigas em Moçambique apresentado hoje na UEM.
O estudo, realizado por pesquisadores do Centro de Coordenação dos Assuntos do Género da Universidade Eduardo Mondlane (CeCAGe), aponta a violência económica, cifrada em 53 por cento, como a mais usada. A violência sexual ocupa o segundo lugar (49 porcento), seguido da violência física (39 por cento) e psicológica (37 por cento).
A pesquisa avaliou as tendências deste flagelo também nas províncias de Gaza e Nampula. Gaza ocupa o segundo lugar e as violências física e psicológica estão igualadas com 40 por cento cada, seguido da sexual (35 por cento) e económica (22 por cento). Em Nampula a violência económica ocupa a primeira posição com 25 por cento, 23 para a psicológica, 21 para a física e 16 por cento para a violência sexual.
O inquérito abrangeu 1750 mulheres e raparigas com idades que variam de 15 a 34 anos e tinha como objectivo produzir recomendações que auxiliem na melhoria das políticas, estratégias e mecanismos de prevenção e assistência às vítimas de violência.
A maior parte das mulheres inquiridas apresenta níveis baixos de escolaridade, sendo 37.4 porcento sem grau de escolarização, 32.7 com nível primário e 20.4 por cento com nível pós-primário (secundário, técnico-profissional ou universitário).
Segundo a Professora Doutora Alda Saíde, pesquisadora que apresentou o relatório, a violência contra as mulheres e raparigas é um fenómeno social quase naturalizado, mas de extrema gravidade. Impede o pleno desenvolvimento económico, social e cultural da população ao colocar em risco permanente mulheres e raparigas de todos estractos sociais. Por isso, a necessidade em compreender os contornos do assunto dentro e fora de casa.
Segundo disse, todos os actos de violência ilustram relações de género desiguais manifestadas nos desequilíbrios de poder entre homens e mulheres.
O estudo conclui que a violência contra a mulher é um dos crimes mais graves, mas que menos denúncias tem recebido. As mulheres preferem procurar apoio de um familiar chegado ao invés da polícia. Por isso, o relatório recomenda a divulgação da legislação, instrumentos e mecanismos sobre a violência contra mulheres e raparigas baseada no género assim como dos serviços de apoio a mulher e rapariga vítima de violência para que elas saibam onde pedir a assistência.
Alda Saíde explicou que a escolha das três províncias para o estudo teve como base a dimensão populacional, representatividade regional, representatividade da estrutura sócio-cultural (patrilinear e matrilinear), elevados índices de violência contra mulheres e raparigas reportados no estudo de 2004 e dispersão geográfica.
Presente na cerimónia, o Vice-Ministro de Género, Criança e Acção Social, Dr. Lucas Mangrasse, referiu-se à violência baseada no género como um grave problema que afecta a sociedade moderna. “Ela não tem fronteiras, assume diversas categorias, desde a física, íntima, moral, patrimonial, as uniões prematuras e forçadas, o tráfico sexual e o estupro”, disse, acrescentando que este mal tem origem na estrutura social, valores, tradições, costumes, hábitos e crenças ligadas a desigualdade sexual.
Salientou os esforços do Governo, da sociedade civil e parceiros na materialização de instrumentos e programas de protecção dos direitos das mulheres e raparigas e no combate a este mal social.
Por sua vez, o Reitor da UEM, Prof. Doutor Orlando Quilambo, afirmou que o lançamento do relatório traduz o compromisso da sua instituição com a causa da luta por um mundo mais inclusivo e livre da violência do género em todas suas formas.
“A UEM constitui por excelência um espaço de produção de conhecimento científico útil para a resolução dos mais diversos problemas da sociedade. Temos promovido com alguma regularidade a pesquisa sobre temáticas relacionadas com o género. Acreditamos que, desta forma, materializamos a nossa responsabilidade de contribuir para o enriquecimento do debate sobre a promoção de iguais oportunidades e da não descriminação”, disse.
A realização do inquérito contou com o financiamento da ONU Mulheres. Drª. Marie Laetitia Kayisine, representante daquela organização em Moçambique, disse ser necessário mais dados sobre os assuntos do género. Segundo ela, a ausência de dados pode impedir o progresso e o desenho de políticas eficazes. “O Conhecimento científico pode desempenhar o papel fundamental na construção de um futuro de igualdade no mundo. Estão de parabéns por terem assumido este compromisso”.
O lançamento do relatório coincide com as comemorações do mês da mulher, que decorre de 04 de Março a 07 de Abril, sob lema “Mulheres na Liderança: Contribuindo para um futuro de igualdade num mundo com a COVID-19”.

cecage-inq-violencia-02

deutsche porn watch izmir rus escort kamagra php bypass shell izmir escort deutsche sex videos Ataşehir EscortPendik EscortAtaşehir EscortKartal EscortKartal EscortDenizli EscortKocaeli EscortGörükle Escortİzmit EscortBursa Escortinstagram takipçi satın alnulled scriptsgabileokeyokey oynadireksiyon dersiwordpress nulled themes #yaslikurt#hack haberankara evden eve nakliyatpaper.io 2beylikdüzü escort1хбет зеркало рабочее сегодняLondon Escortsbahis forumutwitter takipçi hilesiborsaanalizlerievden eve nakliyat jigolo ajansi jigolo ajansi ugurnakliyat instagetfollower instagram takipçi satın al evden eve nakliyatpromosyonhttps://www.promosyonbank.com/pornoagarioDirtyshiptürkçe altyazılı pornocasino siteleriwormaxbeylikdüzü escort bayanko cucejojobet günceljojobet girişİstanbul evden eve nakliyatankara evden eve nakliyatfree sex video Hack forum Kamagra Kamagra jel