1. Skip to Menu
  2. Skip to Content
  3. Skip to Footer

Gestores e Pesquisadores agrários treinados em Liderança e Gestão

formacao-liderancaDesignado LEPARD (Liderança para Investigação e Desenvolvimento Agrário), o treinamento intensivo decorreu de 12 a 16 de Junho, em Maputo, e contou com a participação de 22 gestores e investigadores da Universidade Eduardo Mondlane (UEM), do Instituto de Investigação Agrária de Moçambique, da Unizambeze, da UniLúrio e dos Institutos Superiores de Gaza e de Manica, com a finalidade de desenvolvimento de habilidades de liderança e gestão aplicadas à investigação, inovação e desenvolvimento agrário responsivo ao género.
De igual modo, o curso pretendeu empoderar as mulheres moçambicanas, e não só, de modo a tornarem-se líderes proeminentes e agentes de mudança mais eficazes nos seus locais de trabalho e envidarem esforços para reduzir as desigualdades de género no desenvolvimento agrícola em Moçambique.
Financiado pela Agência para o Desenvolvimento Internacional (USAID), o curso foi organizado pelo Gabinete para a Qualidade Académica, Centro de Coordenação dos Assuntos do Género e Centro de Desenvolvimento Académico da UEM e foi ministrado por uma organização internacional designada AWARD (Mulheres Africanas em Pesquisa Agrícola e Desenvolvimento).
A cerimónia de encerramento do treinamento, que culminou com a atribuição de certificados aos que concluíram com sucesso o programa de formação, foi presidida pelo Magnífico Reitor da UEM, Prof. Doutor Orlando Quilambo que na sua alocução disse esperar que os capacitados tenham mais sensibilidade e entendimento comum da necessidade da promoção da equidade rumo à igualdade de género.
Espera igualmente que as experiências partilhadas e reflectidas constituam uma fonte e um alento para "liderarmos com sucesso, nas nossas instituições, a investigação, a inovação para o desenvolvimento e o bem-estar das comunidades rurais".
Explicou que liderar é mais do que chefiar. “Significa fazer com que a organização trabalhe como um todo e atinja a visão e os objectivos estratégicos que definiu”, disse, para depois acrescentar que a liderança envolve qualidades pessoais por vezes complexas e que "influenciam a forma como nos relacionamos uns com os outros”, mas também habilidades práticas tais como técnicas efectivas de comunicação, de orientação de reuniões e de grupos de trabalho, entre outras.
Quilambo é da perspectiva de que os cursos de liderança são sempre um momento de retrospeção, mas também de “revisão do que já fazíamos sem o suporte ou sem o conhecimento teórico respectivo”, sendo que para que “o objectivo principal das nossas instituições atenda às necessidades e prioridades dos homens e mulheres que participam na sua cadeia de valor, é fundamental que os investigadores, docentes ou gestores sejam líderes”.
A directora de Liderança e Treinamento da AWARD, Pauline Bomett, referiu que uma vez que investigadores e cientistas não têm necessariamente treinamento em liderança, mas sim em aspectos de natureza técnica, torna-se fundamental muni-los de habilidades de gestão e de liderança por forma a dirigir com sucesso as organizações e as equipes nas quais estiverem inseridos.
Explicou que no rol dos tópicos apreendidos, o autoconhecimento e o manejo correcto da inteligência emocional, as técnicas de negociação e como ser agentes de mudanças, mereceram especial atenção por serem determinantes para uma liderança profícua.
Por seu turno, a representante da USAID, Amanda Fong, espera que os formados possam se mostrar mais capazes na liderança das instituições e das equipes de trabalho nas quais estiverem incluídos, pois os conteúdos do curso mostraram a importância do trabalho em equipa, a existência de diversos tipos de liderança e contribuiu para melhorar as habilidades de comunicação e negociação, "importantes qualidades para os líderes de hoje e mais importantes ainda quando forem mulheres".
Fez saber que a instituição que representa apoia o programa AWARD desde 2008 através da iniciativa de governo americano designado Feed the Future, que levou a mais de 60 mulheres cientistas moçambicanas a beneficiarem-se de programas de desenvolvimento de carreira incluindo estágios em prestigiadas instituições científicas internacionais.
Já os beneficiários congratularam a todos os agentes que tudo fizeram para o sucesso da formação e esperam poder aplicar no espírito e na letra os ensinamentos apreendidos nos cinco dias.

Pendik Escort